06 July 2007

COMO UM DEUS


falou-me de amor
como um deus lascivo.
tocou-me, pena, pluma
e acendeu-me os seios
com púrpura sabedoria.

como um deus esquivo,
chuva de uma noite apenas,
foi-se,
deixou a morrer, a chama
deixou em suspenso, os seios
e a boca muda.
Saramar

Imagem: Kevin Sloan

1 comment:

naenorocha1@hotmail.com said...

LUA

Lá fora o lua, mostra um mundo calmo
E a maioria dos olhos triscam nela
E as bocas que nunca a beijaram
Saltitam no gargarejo, gritando por ela.

Lua que no céu flutua, e vai.
Em passos lentos seguindo os mesmos passos do sol
E acompanhada de estrelas, por sabê-las
Até pelo nome, que todas descem onde ela cai.

Lua que nos dar o luar. Ofuscado da luz nascente
Ó quão sonhador seria, se minha namorada fosse,
Quem aqui na terra, ao te ver não se arrepia,
Não se engana todo, não ganha o seu dia,
Estrela que chamada, em seu nome seria mais doce.

Lua que me prometeu se dar a mim em casamento,
Peço-te agora, leva-me como um teu rebento,
Se segura no teu regaço, deixa as intenções de amar
Comigo que não tenho cansado por este momento.

Lá fora o luar, a lua aberta em leque
Um fogo brando que só a gente aquece,
Laça-nos a todos com o aroma destilado
De sua boca, pelo seu amor tão leve.

Saudades tuas.
Um beijo
Naeno