03 April 2008

AINDA QUE ESTANGEIROS


De tua boca,
são as palavras
do meu abrigo.
De tua língua,
sei dos tons
sabe também
o meu umbigo.

Saramar

Imagem: Rodin

12 comments:

Kagahn said...

SECURITY CENTER: See Please Here

Eärwen Tulcakelumë said...

Vim ver-te, ler teus escritos que me encantam sempre.

Pérolas incandescentes de saudade.

Eärwen

BANDEIRAS said...

Querida amiga, bom dia.

Tem notícias para você, lá em Bandeiras, homengem de um amigo.
bjs

Tina said...

Oi Saramar!

Maravilha ! Melhor calar. Obrigada por dividir.

beijos e boa semana,

Voodoo said...

Aqui o tempo é sempre tão mais ameno, quase pode-se ser feliz.
miss you

sel said...

Oi,passeando pelos blogs cheguei ate vc....gostei do seu cantinho...adorei as imagens..magnifico poema,uma intimidade reciproca...bjos1

Kagahn said...

See Please Here

andorinha said...

Ainda que estrangeiros, a língua é a mesma. A da poesia pura.

multiolhares said...

ainda que estrangeiros, o sangue que corre nas veias é igual

beijinhos

tita coelho said...

Bravo moça!
Escreve pouco, mas linhas sempre belas!
beijos meus

Nenos said...

See Please Here

Esyath said...

Saramar,

já observou que da boca de um terceiro sempre sai novos tons que desconhecemos, mesmo quando nos parecem familiar?
Sempre sai... um mistéiro desconhecido.

Beijos (Des)conexos!